quarta-feira, 14 de março de 2012

"O círculo desenha-se no apagar-se"

"O círculo desenha-se no apagar-se", aforismo de Paulo Borges, da série 'Grãos de Areia', in "Cultura Entre Culturas", nº 4, pág. 9.

8 comentários:

Isabel Metello disse...

Sim e tb pode apagar-se ao desenhar-se- depende do ponto de vista, da perspectiva subjectiva de quem o desenha e de quem o vê, de repente, transformado em triângulo, quiçá, pois Deus É Bóptimo Arquitecto e Desenhador- Tem cá uma Precisão nas Mãos- Deenha com as Duas e Os Seus Riscos Saem Certinhos, ainda que muita não gente pense que sejam tortos...
LR, dê cumprimentos por mim, tb, à maralha que se junta no Ponto Final, onde dancei tanto quando era adolescente...

Isabel Metello disse...

Ah! e Donis de Frol Guilhade, vou só acrescentar em jeito de paródia uma das palestras mais divertidas a que assisti, foi tão, mas tão divertida quue lá voltei para mais uma sessão vestida com o meu punjabi. Uma poetisa declamava em êxtase e tom apoteótico, quase épico :) "laranjas, laranjas, laranjas, laranjas, laranjas...laranjas!" Eu juro que, na minha ignorância, fosse algum código cifrado ou alguma campanha à Orangina C, mas não, afinal era só isso :) laranjas..." bolotas!", pensei eu, ao menos que fosse um código de alguma viagem iniciática, de algum ritual de passagem ou de iniciação, daqueles para Hercule Poirot decifrar...se calhar foi e escapou-me, levando esta minha prosaica mente a só pensar num laranjal ou num doce conventual de laranja...bem, já sei o tema do meu próprio poema numa tertúlia a combinar, quiçá, no Ponto Final, onde se reúnem os quadrilheiros locais, onde nos encontrámos um dia :) "bolotas, bolotas, bolotas, biolotas, bolotas, bolotas!" Acha congruente???!!! Eu disponho-me já a fazer, em regime de voluntariado, como sempre, o plano de comunicaçãpo para o marketing viral, com base nas estratégias sociocomunicativas mais arrojadas e inovadoras. Por falar nisso, tem um livro de etiqueta???!!!! Sabe que quando uma colaboradora convidada, quando se demite por email deve receber um email de volta de quem a convidou??? Não???!!! Eu empresto-lhe um!!! è que a etiqueta está associada à Ética, sim, ao respeito pelo Próximo.i.e, à Educação, não é aqule tipo de regrazinhas das pseudo-tias que pedem emprestados objectos ao Abel Dias para aparecerem nas revistas, não...
Bem, sabe, no fundo, eu sou assim e vou morrer assim :) quando dou o meu máximo e me apego a alguém ou a um projecto, quando vejo que tudo isso foi um gozo literal, dá-me para isto- para a frontalidade, nem que seja virtual. Não aprecio farsas, sabe???!!! Já me fizeram viver muitas e o meu mar é a Autenticidade e a Simplicidade, o resto para mim, são mesmo bolotas...
E vou-lhe dizer que se o estudei, para comprovar o que perscrutei na tal pobre alma, foi por Princípios mais Elevados, mas cumpri as minhas funções, vestindo mesmo a camisola desta RCEC, assim como em todos os projectos em que me envolvo, a maior parte deles no regime de voluntariado. Sabe porquê??? Porque tenho o mesmo brio nos trabalhos que fui fazendo em regime pago, voluntário ou de escravatura, porque não sei ser de outra forma. Foi pena, de facto!

F.W. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Isabel Metello disse...

FW, O Meu Criador É O Seu e É tão Perfeito que Cria cada ser como Único- não É Um Milagre, que todos nós esprezamos em prol da mesmidade enfadonha?...posso acrescentar mais um fruto à salada? :) Caju, caju, caju, caju, caju onde estás tu? ( o caju, é um fruto fresco, de uma cor linda, com a castanha incorporada que tem um ácido terrível perto dela que só barrando a queimadura subsequente com manteiga não se nos deforma a facies- tantas vezes, na infância, lá tinha de ser eu barrada!:) Esta é para uma sessão de poesia Africana- temos de ser interculturais :) nessa levarei uma capulana e um caju na cabeça, tipo Carmen Miranda, há que ser-se organizacionalmente congruente :)

Isabel Metello disse...

Vou repetir, pois, pelo regime brainstórmico, separei um sujeito do predicado, um pecado mortal, de acordo com os meus Queridos Professores (a pontuação, já se sabe, é oralizada, como a escrita internáutica :) FW, O Meu Criador É O Seu e É tão Perfeito que Cria cada ser como Único- não É Um Milagre, que todos nós desprezamos em prol da mesmidade enfadonha, mesmo aquela que se quer tanto distinguir que cai no estereótipo?...posso acrescentar mais um fruto à salada? :) caju, caju, caju, caju, caju onde estás tu? ( o caju é um fruto de uma cor linda, com uma castanha incorporada (a tal que depois é seca- bem digerida, depois de assada na fogueira é um must, tal como a matapa e o peixe seco- ai que saudades de minha terra sem igual! Fruto que tem um ácido terrível perto da castanha que só barrando a queimadura subsequente com manteiga não se nos deforma a facies- tantas vezes, na infância, lá tinha de ser eu barrada!:) Esta é para uma sessão de poesia Africana- temos de ser interculturais :) nessa levarei uma capulana e um caju na cabeça, tipo Carmen Miranda, há que ser-se organizacionalmente congruente e passar-se uma imagem de marca com uma economia discursiva exemplar, para não nos porem no segmento dos frutos Latino-americanos ou quiçá no dos Eslavos- cada fruta na sua árvore, só se podem misturar na fruteira :)

=0= disse...

Qu'é istooooo?!!

Que aventasma quadrilheira é esta?!
Pirada de todo!! Fusíveis pifados.

Quem tem razão é FW: "diz quem foi o teu criador que eu também quero ser perfeita?"

F.W. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
F.W. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.