quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

"Se o que se supõe deva ter sido destruído no Paraíso, era destrutível, então eis algo não decisivo. Mas, se era indestrutível, então estamos vivendo numa falsa crença." (Franz Kafka)

1 comentário:

MeTheOros disse...

Muito há, parece, entre a assente suposição a que aqui se alude e a vida presumivelmente assente num falso "sistema" de crenças.

Como saber (se porventura aqui se trate de saber, ou de alguma forma de saber) se o destruído e o indestruído não são, precisamente, chave e não problema?!

Como saber se o que supúnhamos decisivo não é, afinal, tão-só "concisivo"? De um ou de outro "lado" de um mesmo engodo, do mesmo sem-mesmo a su(b-)por algo suposto...