segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

"O homem na sua plenitude não é poderoso, mas perfeito"



- Rabindranath Tagore

4 comentários:

MeTheOros disse...

Afigura-se-me que o mais radical e radicado "poder" seja justamente a "perfeição". O per-feito é o jamais perfeito, e a sua medida precisamente o que de desmedido há intrínseco ao poder.

É porventura uma contradição nos termos, mas precisamente por isso: quanto mais perfeito (isto é, quanto mais incomensurável), mais se manifesta e refulge o poder (de) sê-lo.

O que estabelece o nexo entre a "perfeição de poder" e o "poder da perfeição" é, parece-me, a plenitude que a ambos, a um tempo, inunda e aluvia.

O que Tagore diz do homem pode ser dito de tudo na natureza. Contanto que suprimamos a plenitude: a natureza está sempre em estado de perfeição e de poder.

Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Leôncio Orégão disse...

«PODE alguém ser quem não é?»