segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

"O homem na sua plenitude não é poderoso, mas perfeito"



- Rabindranath Tagore

4 comentários:

MeTheOros disse...

Afigura-se-me que o mais radical e radicado "poder" seja justamente a "perfeição". O per-feito é o jamais perfeito, e a sua medida precisamente o que de desmedido há intrínseco ao poder.

É porventura uma contradição nos termos, mas precisamente por isso: quanto mais perfeito (isto é, quanto mais incomensurável), mais se manifesta e refulge o poder (de) sê-lo.

O que estabelece o nexo entre a "perfeição de poder" e o "poder da perfeição" é, parece-me, a plenitude que a ambos, a um tempo, inunda e aluvia.

O que Tagore diz do homem pode ser dito de tudo na natureza. Contanto que suprimamos a plenitude: a natureza está sempre em estado de perfeição e de poder.

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Leôncio Orégão disse...

«PODE alguém ser quem não é?»