terça-feira, 28 de junho de 2011

poemas


Foto de Lucas Rosa

25 comentários:

MeTheOros disse...

Esclareçam-me, ó meus poemas!
As costas da senhora da frente estão preste a atingir a iluminação, correcto? Por isso é que ela está de costas, certo?
Bem me parecia...

Vou-me pôr de costas também, para experimentar!...

Ferro Velho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ferro Velho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Isabel Metello disse...

Agora, fui eu que fiquei completamente desnorteada- uma pessoa prestes a atingir a iluminação não pode estar de costas (face à câmara:)- é que, noutra perspectiva, estará de frente para as árvores ou para outras pessoas ou não? Está de costas face ao ego dos que vêem a foto, mas de frente face ao que, naquele momento, importa...

Isabel Metello disse...

adenda :) faltou-me o ? depois da :)

MeTheOros disse...

Já me cocei e... não resultou: não se me iluminaram os costados!

Certamente falta de jeito da minha parte, para "o que neste momento importa": se bem que agora seja mais patriótico exportar, não é?

Adenda ferrugenta: a mim deve faltar-me costas para o lado certo.

Quanto ao "coraçãozinho de fora": tivemos séculos de sagrados corações de fora da peitaça do menino e de sua mãe, e ninguém achou piroso.
Não é mais piroso não achar piroso o piroso?!

Pelo sim pelo não, vou coçar também o coração.

Isabel Metello disse...

Metheoros, felicito-o(a) pelo comentário tão, mas tão meteórico e, claro está, espiritual...não é a anulação do ego que estaria a ser invocada e exaltada? Então, por que tantos pronomes na 1º pessoa, incluindo possessivos no seu discurso? Ah, e onde paira a interculturalidade, o respeito pelo Outro que nos é próximo, embora distante e pelas suas crenças? Meteorizou-se?

MeTheOros disse...

Quando se toca nas "vaquinhas sagradas", ou outros animaizinhos, é certo e sabido que há sempre uma boa alma cheia de inquisitices muito bem intencionadas. Pois...

Bullshit para a anulação do eu!
Quanto mais nisso falamos, mais o dito aumenta, fazendo-nos supor que mingua!

Entretanto, quando um cristão logra aceitar viver em si mesmo o facto de (sem tirar nem pôr) também ele diria ao berros “Crucifica-O!”, muito compenetradinho da "sua" razão inquinada pela "teologia" da beatice tresandando a populixo - então, talvez ele perceba (espera-se que não tarde demais) o fundo sentido "intercultural" do matar o Buda. “Para" nada, já se vê!

Sim, para nada!
Porque se se o mata, em si mesmo, "porque" é esse o "meio" e a "via" para alcançar o que quer seja, pisou-se de novo a bosta ego-rejeitada.

É a comer merda, que a merda se nos torna indiferente.
Não é o sagrar do coração ou de um Coração que é tropeço, é o torná-lo intocável e sagrado!

Origem de todas as mais perversas e subtis formas de jihad, inquisição, intifada ou sionismo!


P.S.
O uso dos pronomes, possessivos (os pronomes possessos, esses, tenho usado menos ultimamente, desde o abraâmico finado do Lapdrey) tem apenas a ver com o facto de que tenho evitado o plural majestático: era amiúde acusado de rei-dículo!

Ah, já me esquecia!
O respeito pelo outro ("ainda" não cheguei ao Outro!) é a mesma treta de conversa! Falinhas mansas que tresandam a enxofre de feira, incensado de holistice-entre-anhada de respeito pelos animais paredes-meias com uma (muito pouco dalai-lâmica)fúria antropofágica. Bullshit! Prefiro o Papa agora a pregar ao peixe-espada no Twitter!

Quanto ao palavrão da "interculturalidade" (sou uma pessoa educadinha - de berço, mas não das berças!), ultimamente ando mais numa de falar com os animais: telepaticamente, claro.

A interactividade (esta também é gira!) deles supera em muito a dos liliputianos dos humanos.

Pudera! Eles já cá andam há mais um tempinho...

Ferro Velho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ferro Velho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Isabel Metello disse...

Olhem, volto cá logo à tardinha para descodificar tanto aeroglifo e gostei do último comentário do Ferro Velho, pois tem luminosidade, contrariamente ao do Metheoros- diem-me as parabólicas incorporadas, para mal dos mdeus pecados! :) Mas, Metheoros pleaaase, não confunda as vacas sagradas com estrume...é um erro crasso...quem Ama os animais deixa-as passar, nem que esteja horas no trânsito...é caso para se dizer que param o trânsito...eu cá acho que deveríamos importar o conceito num país de gente incívica...

MeTheOros disse...

1.
Não desgostei do abraço: com carinho".
É claro que o entendo como o velho Artaud, com aquelas "mãos de fusos / para remexer nas [...] entranhas,/[...] mãos onde a sombra espantosa / toma o aspecto de um pássaro".
Espero ser o voo de tal pássaro.
Mas não fico à espera que (me) voe picado.

2.
Eu também já estive para retirar-me, mas a coisa sai cara, como o diabo. E, para cara, já basta a vida, sem precisar de ser retirada: "tudo isso de que a morte se orna como de um rito aleatório, esta conversa de sombras"(idem)

3.
Olhem, voltei cá antes de mais logo à tardinha pois, a essa hora, os comentários da carinhosa da F.V. têm ainda mais luminosidade, contrariamente aos meus, e os da virtuosa Metellica terão o que só o que tenham.
E também porque ninguém "me espera para me pedir contas,/ mas eu tenho contas a pedir a alguns ignóbeis/ velhos labregos da doutrina,/
contas a pedir por retardarem a vida com os seus sentimentos, paixões, instituições".
Mas, eles, a essa hora, não estão já em si, de tanto nada deles espirrar a cada metade de uma hora, tempo de vida de alguns insectos gloriosos.

Ferro Velho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Isabel Metello disse...

Ai, Meus Cosmos, que, para a próxima, venho cá com um nick tipo D. Manuel I, para não implicarewm mais com um dos meus sobrenomes e prontos...entendam-se, que eu tenho quem me espera, pela tardinha, para cuidar...see you later, lá mais pela noitinha, quando os lobos uivarem na esquina do templo triangular onde se encontra a sacerdotiza a orar! apre!

Ferro Velho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Isabel Metello disse...

...:) sacerdotisa...ai, Meu Deus, escrevi à pressa, tinha de me pisgar... olhe, Ferro Velho, pelo menos, todos os meus trabalhos, sem excepção, saíram da minha tête e do meu esforço e não de outras mentes ou plagiadas ou compradas, não sei se me entende...tb nunca meneei as ancas se é que me entende tb...Graças a Deus tive sempre óptimos Professores e fiz sempre as minhas partes lectivas com excelentes notas (algumas mewnos boas por circunstâncias menos felizes :) e com base num grande esforço...as teses que escrevo saem de mim e do meu trabalho...não há um milímetro no meu cv com indignidades nem cunhas...e tanto escrevo uma tese ou apreento um artigo numa conferência como crio as minhas bijutarias ou varro o chão e estou ao balcão com o mesmo empenho e brio....adoro o trabalho digno, sabe tão bem!se mais não fiz ou faço foi porque não pude ou posso, infelizmente, pois uma das minhas grandes paixões era/é a investigação, para a qual é necessário uma estabilidade da qual ainda não desfruto...mas é o Destino, só tenho de agradecer a Deus, pois tenho aprendido muito no Doutoramento mais importante- o da Espiritualidade, esse sim, Esse É Eterno...
...mas tb lhe digo que, nessa base, considero lamentável a tendência para ataques pessoais numa discussão que até poderia ser irónica ou mesmo satírica, mas com base em conceitos...
...de qualquer das formas, estou ainda à espera da sacerdotisa no cruzamento...

Isabel Metello disse...

...ploff! ela chegou qual Fada Sininho e disse-me para lhe dizer que tanto faz que a designem com um z ou com um s, pois o que importa não é a forma, ainda que aprecie o rigor! :)

Ferro Velho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ferro Velho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ferro Velho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Isabel Metello disse...

Ferro Velho, será tão somente uma interpretação meramente formal dos excertos de Sublimes Textos Sagrados que invoca no seu blog, permita-me a análise à distância...olhe, nem sei de que Mestre fala, pois, para mim, só Existe Um...quanto a rezar de costas, tente fazê-lo de frente e verá que a autoestrada poder-se-á converter num Jardim onde aprenderá a respeitar tanto as vacas sagradas como as formigas, igualmente Um Milagre Divino, pois partilham da Centelha Divina...

Ferro Velho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ferro Velho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Isabel Metello disse...

Rezar é muito mais do que pedir, é agradecer, é praticar (não há melhor oração do que pôr em prática, quotidianamente, Os Princípios Transversais a Qualquer Crença...os adornos ficam para quem não coaduna a teoria com a prática (ninguém é totalmente congruente, daí que ainda cá estejamos todos no Ciclo da Purificação, caso contrário, já não estaríamos ou teríamos assumido a forma de seres mais elevados, por exemplo, os animais...A Bondade É sempre Excelsa, já a maldade é sempre degradante, mesmo aquela que, pela sofisticação apócrifa se faz passar por enigmas herméticos só entendidos por "iniciados"...sabe quais foram os maiores "iniciados" que conheci? Gente tão simples que, mesmo analfabeta, detinha a Inocência Primordial nos olhos que se pode encontrar num Cão...par contre, já me deparei co gente totalmente negra a discorrer de forma ridiculamnente enfática sobre Algo que não se Alcança pela mera teoria...o mundo é mesmo um palco, não é?

Ferro Velho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.